soneto travesti

Medua de Pierre et GillesPara fazer coro aos posts do Wesley, segue um soneto de Glauco Mattoso do qual gosto muito.

SONETO TRAVESTI [313]

Chamar de “transformista” não explica.
Chamar de “drag queen” não fala exato.
A explicação se encontra ali no ato,
pois no lugar da cona está uma pica.

Hormônios, silicone, tudo indica
a feminilidade no seu trato.
Talvez algo maior seja o sapato,
mas no conjunto pouco modifica.

À noite pesa a barra do traveco
que faz a viração pela calçada
à cata dum bandido, um tira, um reco.

Na fria solidão da madrugada
às vezes o prazer vai ter seu eco:
Um grito. Um corpo. Um tiro. Uma facada.

Anúncios

Uma resposta to “soneto travesti”

  1. É através dessas palavras bem colocadas está uma dura realidade de muitas Travestis, há muita disputa na pista, muita inveja, etc. As Travestis querem apenas se tornar mulheres e serem realizadas em todos os aspectos, mas a sociedade já começa a escrotizar quando essa futura mulher é um menino em transformação daí que muitas não terminam os estudos e não conseguem entrar para o mercado de trabalho e tem que recorrer a pista.

    E a pista é isso, é sofrimento e nunca se sabe o dia de amanha ou horas depois!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: