a descoberta de uma outra sexualidade

OgAAAMsNrUJLbsvIUbuLDOIttQUnSN5TEZSZI6y2HIf6D7UIODwHkpIFsojxRTT-ShKNRrkfM6v0QdPv0PHmXURQv0sAm1T1UEhPVf23ExxO2-2sBXgYQyTA2PtVOlá todos

Hoje vou  postar sobre a descoberta da minha sexualidade, como tudo aconteceu e como atualmente  sou um cara bem resolvido.

Meu gosto pelas travestis vem  desde quando eu comecei a me masturbar lá pelos 11/12 anos de idade. Eu estava me descobrindo sexualmente:  passava a madrugada de sábado vendo o cine privé na BAND , vendo “as malandrinhas” no programa do Sérgio Malandro e  já naquela época, no início da adolescência,  meus hormônios estavam explodindo

Eu  sentia muito tesão pelas meninas do colégio. Não podia ver uma “bunda” que ficava excitado. Foi também nessa perído que eu lia muito jornal (garoto intelectual para minha  idade….).

Mas eu lia jornal na parte dos classificados das garotas de programa. Sempre lia sobre essas  mulheres e suas descrições, e o que me chamava mais atenção eram as “quase mulheres”. Quando as olhava,  tinha  um sentimento profundo ao ver aquele ser lindo e maravilhoso imaginando que ela possuia  “algo a mais”.

Assustado com meus próprios desejos,  começei a bloquear  essa minha preferência. Assistia ao programa do Ratinho e aos programas do Silvio Santos com seu show das travestis e transformistas. Parava para ver  aquela mulher loira, com seios fartos, lindo corpo, cheia de pulseiras e braceletes. (tinha fetiche por  mulher com bracelete). Sentia muito desejo  mas, automaticamente , criado numa educação conservadora e por achar que ser gay e/ou gostar de travesti era pecado ou errado,  me reprimia totalmente.

Em 2002, quando completei 14 anos, estava na 7ª série. No colégio. “zoávamos” muito a respeito de sexualidade e  eu hostilizava quem era gay. Tinha ódio como qualquer  homofóbico e o que me ajudava a ser assim eram os “amigos” heteros que ficavam criticando a  sexualidade alheia.

Mas no fundo eu gostava de travestis e me enganava  para não viver aquele medo de ser identificado como “viado”  pois tinha muito receio de “virar” gay ou algo do tipo.

Mas meu sentimento era mais forte. Lutava contra  mas comecei  a visitar sites de travestis na internet. Via as travestis peladas e fazendo sexo eu ia a loucura. Masturbava vendo suas poses sensuais com seus exuberantes corpos femininos.

Quando “gozava”, vinha um baita sentimento de culpa. Me sentia mal, diminuido. Chegava a chorar com medo de que eu “virasse” gay e foram anos assim: “punheta” vendo travestis e logo depois tinha meu sentimento de culpa. Para contornar a situação, eu me  excitava  vendo mulheres biológicas como se esse gesto significasse que “eu ainda podia me salvar” .

A situação e os sentimentos de gosto pelas travestis só iam aumentando ano após ano. Até que , com 19 anos de idade, em meados de Novembro de 2007,  eu conheci a comunidade Homofobia Ja Era. Aderi ao fórum pois tinha amigos gays e já não era tão homofóbico assim.

Eu já entendia um pouco sobre  homossexualidade e aceitava melhor pois, quando você vai crescendo, você amadurece suas idéias. De início, eu me indentifiquei  como hétero o que gerou desconfiança por parte de alguns usuários . Pensavam que se tratava de um “troll” ou mais um homofóbico querendo atacar a comunidade.

Porém, com o passar do tempo,  fui me soltando e sempre tive o apoio de um dos membros, Arthur. Mais tarde veio apoio do Hélio, outro membro, e fui conhecendo pessoas daquela comunidade. Me entendendo e me aceitando melhor.

No mês de Dezembro daquele ano,  eu tive mais um sonho dentre diversos sonhos com travestis que tinha direto na época e  resolvi assumir definitivamente minha atração por elas e que não sentiria mais culpa em gostar de pessoas assim.

Lembro que a primeira coisa que eu fiz foi entrar em um site de travestis e ver um filme de uma travesti brasileira. Dessa vez, me masturbei até atingir o orgasmo. Depois, fui tomar um banho e fiquei ” numa boa”.

Passei a comentar com meus colegas íntimos sobre essas situações, perguntava sobre homens que gostavam de travestis e me assumi na comunidade virtual  e alguns, por nunca terem presenciado na história da comunidade um homem que sentia atração por travestis e mulheres mas que não gostava de homens, continuaram receosos comigo.

Diziam que eu era um gay enrustido que gostava de travesti porque não tinha coragem de ficar com um homem másculo,  etc. Mas com simplicidade e apoio daqueles que realmente percebiam que eu estava com várias dúvidas  nas minhas questões de sexualidade (Adriano, Vitor, Petite  entre outros) , aprendi muito e sou grato não só aos citados mas a todos  que ajudaram e me ajudam até hoje.

Tudo que eu sei sobre homossexualidade, devo a comunidade Homofobia Já Era. Foi ali que comecei a me aceitar melhor  e respeitar o universo GLBT. Em Março do ano passado fui no meu primeiro Orkontro com a galera da HJE aqui no Rio de Janeiro. Conheci alguns membros  como a Tina, Tiago, Gabriel e vários outros pelos quais tenho muita amizade.

Posso dizer que hoje eu sou um cara bem resolvido, sou feliz gostando de travestis e ajudo outras pessoas que tem dúvidas sobre sexualidade. Eu deixo aqui o meu grande agradecimento e muito obrigado por tudo ao pessoal da Homfobia Já Era.

No próximo post, esta “saga” continua: a minha “saída do armário”.

Beijos

Anúncios

Uma resposta to “a descoberta de uma outra sexualidade”

  1. ribeiro Says:

    Gostei muito do depoimento,estou cursando pedagogia e meu projeto está ligado aos gays que tem dificuldades em expressar suas preferências,contribuindo assim para eterna tristeza interior.Parabéns mais uma vez!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: